Area I

Busca-se, a partir da discussão da fundamentação empírica da teoria da mudança linguística, estudar a constituição histórica da língua, a diversidade lingUística, aliada à teoria da gramática, os estudos filológicos que levam ao conhecimento histórico da língua e os problemas afetos à história da leitura e da escrita na formação do leitor no Brasil. A linguística histórica centra-se, pois, na capacidade de seleção e de recombinação do espírito humano na sua aplicação à tecitura da linguagem, caracterizada em eixos não homogêneos: a sua estruturação formal, a sua função simbolizante, o seu caráter herdado e a sua constituição diferencial. Nessa perspectiva engendram-se as quatro linhas que a definem.